Clique no banner e entenda nossa proposta (Instituto de Pesquisa e Promoção dos Estados de Cura)
Veja Aqui (Informações sobre Psicoterapia Reencarnacionista e Terapia de Vidas Passadas)
Veja aqui como a hipnose é reconhecida e valorizada em importantes centros médicos
Clique no banner e veja o que é e suas principais indicações de uso!
Clique no banner para saber mais sobre Modulação Hormonal Bioidêntica

Hipnoterapia

HIPNOTERAPIA MÉDICA? O QUE É ISSO ?



     A proposta terapêutica da Hipnoterapia Médica se baseia em um trabalho conjunto entre terapeuta e paciente, onde este tem a oportunidade de desenvolver um estado amplificado de consciência tomando seus sintomas como um caminho para descobrir, se necessário for, as origens do problema e a partir daí criar uma compreensão maior de toda sua história de vida e tudo aquilo que estiver relacionado às suas dificuldades que precisam ser reavaliadas e mudadas. 

     Partimos do pressuposto que cada pessoa carrega em si as respostas e as soluções. Basta que se disponha à encontrá-las. 

     Paralelo à isso, no desenrolar das sessões, são desenvolvidas atividades e técnicas terapêuticas específicas para cada caso com o objetivo da própria pessoa acessar seus aprendizados inconscientes ou desenvolver novas habilidades que sejam necessárias, conforme seu objetivo esperado. Por exemplo, uma pessoa que se acha muito nervosa e que perde o controle com facilidade, pode aprender a ter calma e auto-controle emocional. 

     Com freqüência, sensações ou sentimentos negativos originam-se de experiências vivenciadas no passado, como depreciações ou várias formas de violência sofridas há muito tempo atrás e que são incorporadas à nossa personalidade como verdades absolutas. É como se fôssemos programados para aceitar nossas inexistentes limitações. 

     A Hipnoterapia é uma oportunidade maravilhosa para anularmos falsas crenças introduzidas pelos outros ( ou pela sociedade ) em nosso inconsciente e assim termos acesso às nossas reais potencialidades. 

     A hipnoterapia, aqui divulgada, chamada também de Ericksoniana ou naturalista foi concebida à partir da 2ª metade do século passado, pelo médico psiquiatra norte americano Milton H. Erickson. 
     O grande mestre da Hipnoterapia mundial desenvolveu toda uma metodologia terapêutica à partir dos conhecimentos prévios sobre hipnose ( daí a origem da expressão Hipnoterapia); e foi criando um modelo diferenciado, estratégico para o tratamento dos mais variados distúrbios comportamentais e doenças psicossomáticas. A partir disso e com a participação de outros mestres da área foi se desenvolvendo todo um trabalho de sistematização de técnicas hipnoterapeuticas, dentro de um princípio de que "o que a própria mente produz, a própria mente pode curar". No início da década de 90 esse trabalho já era reconhecido em várias partes do mundo e foram sendo criados institutos especializados na aprendizagem destes métodos. 

     No Brasil existem cinco institutos que difundem a Hipnoterapia Ericksoniana (em homenagem ao seu criador) e que estão em constante processo de pesquisa e aperfeiçoamento. No Rio Grande do sul é representado pelo INSTITUTO MILTON ERICKSON BRASIL SUL – secção PoA sob a direção do Dr. Ricardo feix ( principal professor deste profissional). 

     Neste caso, a Hipnoterapia é denominada médica, para diferenciar de quando suas técnicas forem utilizadas por psicólogos, e também porque muitas vezes é utilizada associada à medicação alopática e ou fitoterápica. 

     A medicina tradicional, se baseia no aspecto físico-orgânico, nos exames clínico e laboratorial para embasar seu diagnóstico e à partir daí seu tratamento. 

     Já a H. M. avalia e trata o ser humano em um contexto integral, considerando que todas as manifestações e ou perturbações somáticas (do corpo) que uma pessoa possa apresentar se originam e interagem em um destes três planos: físico, psíquico-emocional e espiritual. Levando em conta que qualquer acontecimento, decorrentes do contexto de vida de cada um, pode desestruturar o psicológico, desencadeando variadas manifestações no somático. Por exemplo, a perda de uma pessoa querida ou uma separação pode afetar emocionalmente uma pessoa à ponto de diminuir sua imunidade favorecendo o aparecimento de uma infecção. E tudo isso está em uma variável dependente da sua história de vida, da consciência, da maneira como foi criado, de suas crenças, do grau de espiritualidade individual e da maneira que se relaciona com as pessoas e com o Universo. 

     Isso explica a freqüência acentuada de sintomas investigados pela medicina tradicional e que não demonstra alterações nos exames complementares. Logicamente que tudo isso não exclui ou diminui a importância da medicina alopática, a qual também vem apresentando uma maravilhosa evolução na última década em termos diagnósticos e terapêuticos. Inclusive, o ideal, acreditamos, é que haja uma complementação técnica entre as duas partes. O profissional Hipnoterapeuta deve estar alerta para investigar clinicamente determinados sintomas, descartando antes de mais nada moléstias orgânicas, antes de iniciar propriamente a Hipnoterapia. 

     "Partimos do pressuposto que as pessoas têm dentro de si as aptidões necessárias para superar dificuldades, resolver problemas" e o processo terapêutico tem essa finalidade, através de técnicas apropriadas e personalizadas, alavancar seus próprios mecanismos de auto-cura, cabendo ao profissional hipnoterapeuta o papel de facilitador deste processo. 

     Caso voçê desejar maiores informações sobre hipnose, Instituto Milton Erickson-PoA, Dr. Ricardo Feix Acesse o seguinte site: www.miltonerickson-brasilsul.com 


     COMO FUNCIONA A H. M. ? 

     A CLÍNICA DE HIPNOTERAPIA MÉDICA SE BASEIA EM UM TRIPÉ TERAPÊUTICO:

I . MEDICAÇÃO:

a) Medicação Alopática tradicional: Escolhida individualmente para cada caso, importante na primeira fase da terapia, sendo que o objetivo final que ao final desta, a pessoa continue bem sem os medicamentos. Muitas vezes não existe necessidade do uso de medicação, assim como em outros casos pode necessitar por um período mais prolongado.

b) Medicação Fitoterápica: Os fitoterápicos são essências de plantas medicinais com seus efeitos amplamente avaliados cientificamente. A produção dos fitoterápicos requer controle de qualidade na produção, embalamento e distribuição. Tecnologia utilizada nas farmácias de manipulação. Tem-se observado freqüentemente para muitos males, ótimos resultados com baixos custos e baixos índices de efeitos colaterais.

c) Florais de Bach – Ver menu Reiki / Florais. Florista responsável: Mariusa Brandão.

 

II. PRINCIPAIS TÉCNICAS UTILIZADAS:

A) TÉCNICA COGNITIVA–COMPORTAMENTAL: Derivada da Psicologia aplicada. é utilizada para estruturar e modificar o pensamento e a imaginação quando estes estejam distorcidos, trazendo problemas variados aos pacientes. P. ex. nos transtornos obsessivos-compulsivos (manias) ao utilizar esta técnica a pessoa aprende à desenvolver estratégias terapêuticas para lidar eficientemente com seu distúrbio, quebrando círculos viciosos. 

B) HIPNOSE CLÍNICA : As técnicas hipnóticas tem um alcance e uma eficiência enorme na medicina psicossomática e nos distúrbios comportamentais, uma vez que no desenrolar do transe hipnótico o paciente tem a oportunidade de descobrir a origem e ao mesmo tempo desenvolver um novo significado da situação originária do problema, o que geralmente é suficiente para livrar-se de uma memória traumática, por exemplo. Permite também uma abordagem direta ao inconsciente pela técnica de recuperação de memória (antiga regressão), onde o paciente mantém sua parte consciente, ou seja, levando a inteligência, compreensão e experiência de vida de hoje ao passado e assim desenvolvendo uma percepção ampliada de si mesmo com uma abrangência de toda sua história de vida, desde a fase intra-uterina e até mesmo em vidas passadas, dependendo da crença do paciente em levantar esta possibilidade. Enfim, uma busca em quaisquer aspectos que possam estar relacionados com seus problemas.

     Por outro lado, o estado hipnótico permite desenvolver uma percepção diferente de situações que antes eram vistas como problema, agora passam à ser vistas como aprendizados. Por exemplo, para dessensibilização de situações fóbicas (medos exagerados). A pessoa se visualiza mentalmente enfrentando determinado problema, mantendo-se calma, no controle e progressivamente isso vai se instalando como sua nova realidade. Além do que se busca identificar e valorizar suas potencialidades, recursos naturais da pessoa que antes não estavam sendo utilizados, tornando-os muito importantes para a resolução do seu problema. "Coisas que a pessoa não sabe que sabe, não sabe que pode". 
     Técnica com efeito rápido e seguro quando utilizada por profissionais habilitados, a hipnose atualmente é somente facultada à médicos, psicólogos e dentistas. Foram-se os tempos do charlatanismo de palco com finalidades circenses, o que acabou provocando por muitos anos um certo descrédito das técnicas hipnóticas. O que foi maravilhosamente recuperado desde o trabalho desenvolvido pelo psiquiatra norte-americano Milton Erickson(falecido em 1980), aqui no estado pelo professor Veloso (também falecido) e atualmente pelo Dr. Ricardo Feix o qual dirige o Instituto Milton Erickson Brasil-Sul. Portanto, utilizamos basicamente a chamada terapia Ericksoniana.

3) PROGRAMAÇÃO NEURO-LINGUÍSTICA: As metodologias da PNL oferecem uma compreensão avançada sobre o que somos e como funcionamos nos aspectos neuro-psíquico do ser humano e como utilizarmos tudo isso à nosso favor e não mais sofrermos como vítimas da ignorância. As técnicas utilizadas são direcionadas principalmente para os transtornos comportamentais. P. ex. "ancoragem de recursos" para casos de insegurança ou medos.

4) TÉCNICA DE RELAXAMENTO COM REPROGRAMAÇÃO MENTAL: Utilizada principalmente para quebrar padrões doentios repetitivos, permitindo ao paciente desenvolver um estado de tranquilização interior criando uma perspectiva favorável ao autoconhecimento, oportunizando "deletar" falsas crenças e reprogramar novas atitudes saudáveis da maneira como a pessoa desejar ser. Ao mesmo tempo que permite o desenvolvimento de novas habilidades para superar seus problemas. Tais técnicas podem ser utilizadas personalizadamente pelo próprio paciente onde estiver, p.ex. para combate da insônia. Também pode ser associada ao aparelho pineal trainer – sincronizador das ondas cerebrais, como complementação do trabalho terapêutico.

5) TÉCNICAS COMPLEMENTARES: Bioenergia, Reiki e Cirurgia Psíquica – (ver menu Reiki / Florais), utilizadas entre outras finalidades para revitalização dos pontos energéticos e harmonização espiritual. Aplicadas pela terapeuta Mariusa Brandão.

 

III. ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS E MOTIVACIONAIS :  
     Dependendo dos problemas apresentados são propostas algumas atitudes que visam desmoronar as suas origens , que incluem quebra de padrões viciosos de pensar e agir, tomar consciência, assumir responsabilidades e medidas gerais que devem ser desenvolvidas por conta da própria pessoa que busca resolver algo em sua vida. Também se trabalha a questão motivacional, por exemplo, praticar exercícios físicos, leitura informativa, etc... E através da realização ou não destas tarefas, estaremos medindo "se a pessoa realmente quer mesmo se curar", se está realmente se comprometendo com sua cura. 

     Após a apresentação do quadro apresentado pela pessoa em sua primeira consulta, é feito o diagnóstico e a programação terapêutica a ser desenvolvida, sendo personalizada para cada caso e dependente de muitas variáveis. De uma maneira geral o processo terapêutico se desenrola em duas fases. A primeira fase vai de dois a quatro meses, sendo que as primeiras sessões terapêuticas devem ser realizadas uma vez por semana, com espaçamento progressivamente maior. A segunda fase de acompanhamento ou consolidação dos resultados também é variável, com consultas uma vez por mês, até que a própria pessoa esteja satisfeita com os resultados almejados.

     Utilizadas associadas ou individualmente essas técnicas propiciam mudanças rápidas e permanentes na vida da pessoa e interessante observar que isso acaba influindo positivamente e induzindo mudanças saudáveis nos outros ao seu redor. 

   AS INDICAÇÕES PARA REALIZAR HIPNOTERAPIA: 


     1. NOS DISTÚRBIOS ( OU TRANSTORNOS ) COMPORTAMENTAIS: Depressão, transtornos da ansiedade, síndrome do pânico, fobias (medos exagerados ou sensação de incapacidade para certas tarefas ), transtorno obsessivo compulsivo, bulemia e ou anorexia nervosa, obesidade com componente ansioso, distúrbios sexuais como impotência psicogênica, vaginismo, ejaculação precoce, frigidez ou dificuldade de orgasmo feminino, D.D.A. (distúrbio do déficit de atenção) acompanhada ou não de Hiperatividade, abandono de vícios (como tabagismo). 

     2. EM CLÍNICA GERAL: Somatizações (sintomas psicossomáticos - ver leitura informativa - entrevista ao jornal Noroeste), enxaquecas (cefaléias tensionais), insônia, gastrite e úlcera nervosa, diarréia situacional (p. ex. em viagens), dor crônica não diagnosticada, dor do câncer ou pós-radioterapia, dermatites recorrentes alérgicas ou não sem causa aparente, psoríase. 

     3. EM PEDIATRIA: Asma brônquica com componente emocional, enurese noturna (xixi na cama), dores crônicas e recorrentes sem diagnóstico, hiperatividade com ou sem D.D.A., distúrbios de conduta (como agressividade), insegurança ou sensação de incapacidade para realização de tarefas ou provas (nervosismo). 

     4. EM TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA: Dores músculo-esqueléticas tensionais (não diagnosticadas), perda de funções de parte do corpo sem explicação médica. 

     5. EM GINECOLOGIA: Dor pélvica (que não desaparece após investigação ginecológica), dispareunia (idem), infertilidade sem causa aparente. 

     6. EM OBSTETRÍCIA: Hipertensão arterial na gravidez - pré eclampsia, trabalho prematuro de parto, vômitos excessivos e ou outros sintomas indesejáveis do início da gravidez, depressão na gravidez ou temor exagerado do parto, preparação para o trabalho de parto com o mínimo de dor. Com a hipnoterapia muitas vezes evita-se o uso de medicação e seus efeitos colaterais para mãe e o feto. 

     7. EM CARDIOLOGIA: Hipertensão arterial com componente ansioso, palpitações, taquiarritmias, somatizações ou medos exagerados de problemas cardíacos. 

     8. EM ODONTOLOGIA: Medo exagerado de tratamento dentário, bruxismo (contratura maxilo-mandibular que provoca desgaste prematuro dos dentes, dores da articulação temporo-mandibular e ou cefaléias), e outros distúrbios. 

     O.B.S.: A hipnoterapia não é indicada para psicoses e esquizofrenias que são patologias especificamente para serem tratadas pela psiquiatria.

CLÍNICA DE HIPNOTERAPIA MÉDICA
D
r. Gentil Brandão de Souza
Médico Hipnoterapeuta
CRM: 12940 


     CONSULTÓRIO: Centro Clínico Oswaldo Cruz, Fone: 0xx55 3537 1400